Nova tecnologia da Microsoft é bem-sucedida entre brasileiros

Eduardo Passos Licenciamento de software 0 Comments

O conceito de computação em nuvem, que permite que os usuários utilizem apenas a internet para armazenar seus dados e acessar sistemas, está cada vez mais enraizado na estratégia da Microsoft no Brasil. A empresa, que era considerada por alguns analistas como atrasada no desenvolvimento de produtos desse tipo, concentrou-se nesse conceito para crescer no país.

Enquanto se prepara para um dos principais lançamentos do ano nessa área no Brasil, a nova versão do Microsoft Office, que inclui aplicativos gratuitos que funcionam pela internet e que está previsto para o final de julho, a companhia transfere a atenção às vendas de outro sistema que, em dois meses, teve adesão de 40 mil usuários de 200 clientes. Trata-se de um produto que inclui acesso ao email, criação e edição de documentos, mensagens instâneas e outras ferramentas de comunicação pela web.

Segundo Eduardo Campos, gerente geral de produtividade e colaboração da Microsoft Brasil, o Brasil foi o país que registrou a maior adesão ao BPOS nas primeiras 12 semanas de disponibilidade. O atrativo foi o fato do software ser vendido no sistema de aluguel e custar US$ 10 por mês por usuário.

Por conta do preço mais baixo que o sistema convencional, as pequenas e médias empresas que possuem entre 30 e 200 estações de trabalho, são responsáveis por cerca de 70% da movimentação do produto no Brasil. Um exemplo do tipo de empresa que busca por esse tipo de sistema é a paranaense Medicalway, especializada em distribuição de equipamentos médico-hospitalares. A meta da companhia era substituir seu sistema de e-mail, que oferecia apenas os recursos básicos e convencionais, para uma solução mais sofisticada capaz de armazenar os dados na web.

Segundo Campos, isso é o que acontece com a maioria das empresas de pequeno e médio porte. “Muitas possuem um sistema gratuito que só mostra os emails

não lidos e não armazena os antigos”, diz. As grandes empresas, no entanto, não ficam de fora da estratégia de emails armazenados na internet. Mundialmente, empresas como Coca-Cola, com 75 mil usuários, estão na carteira de clientes da Microsoft. No Brasil, a Camargo Corrêa é uma delas.

Plataforma Azure Outra aposta da empresa na área de computação em nuvem é a plataforma Windows Azure,

para desenvolvimento de software, que pode ser utilizada pela internet. A ferramenta foi lançada nos Estados Unidos em fevereiro e chegou em maio no Brasil. O modelo de venda é baseado em hora de uso, que custa cerca US$0,12.

Neste mês a empresa anunciou parcerias com gigantes como Dell, Fujitsu e HP. O objetivo é prover a plataforma Azure nas ofertas de infraestrutura de computação em nuvem dessas companhias.

Fonte: Brasil Econômico p. 2,30